Na Frequência do Funk

0
389
Live com protagonistas do documentário Na Frequência do Funk expõe o que a mídia tradicional não mostra: a realidade do movimento na Periferia.

Inscrevam se em nosso Canal ( Acesse…AQUI)

Live com protagonistas do documentário Na Frequência do Funk expõe o que a mídia tradicional não mostra: a realidade do movimento na periferia
No dia 3 de junho, a partir das 20h, serão promovidas três lives na rede social do Coletivo Literalmente Favela com os protagonistas do documentário Na Frequência do Funk (2021), direção de Neta Lavor.

Com o apoio da Lei Aldir Blanc (Lei nº14.017), viabilizado pelo Fundo Municipal de Cultura de Santo André, o curta co-produzido e idealizado pelo Coletivo Literalmente Favela, produzido por Jurema Audiovisual, traz jovens funkeiros moradores de periferias da cidade, cujos encontros não se dão apenas no palco, suas histórias se cruzam num território onde as narrativas negadas são uma expressão da violência, chegando ao auge na criminalização do funk e o genocídio da população preta e periférica.

Indo na contramão da estigmatização dessas linguagens, o projeto surgiu, justamente para contar a versão por quem vive na favela e tem com o funk uma meta de realização profissional de um fazer cultural artístico, que envolve dedicação e é uma cadeia produtiva que movimenta vários setores da economia, gerando empregos e fortalecendo o comércio local.

Dividindo-se entre outros trabalhos e a carreira, eles impulsionam, além da economia, seus sonhos e os sonhos de tantos outros jovens que vislumbram neles uma inspiração. A frequência do beat leva a galera a vibrar em shows e batalhas de rimas. Esses MC’s aderem também a vertente do funk consciente, com letras de superação, que trazem referências de suas realidades, a comunidade se identifica e faz o movimento tomar força.

Tendo James Brown como um dos principais expoentes responsável pelo ritmo, uma combinação das músicas negras americana, soul, blues, gospel, jazz, o movimento que surgiu nos EUA, na década de 60 não demorou chegar ao Brasil. Em meados dos anos 70, tocado primeiro em bairros da Zona Sul do Rio de Janeiro, foi ocupando as periferias, adquirindo seus próprios formatos até se tornar no que é hoje.

O movimento que agrega moda, que tem a cultura do MC, as batalhas, ganham outros nomes na cena do funk: MC Tizzi, que começou cedo, 13, hoje, com seus 18, ainda garota, já se orgulha de suas realizações: clipes gravados, fãs, suas composições estimula o gosto pela literatura e pensa se formar em letras; Mc Neguinho da VL, 17 anos, que pequeno viveu momentos que gente grande não aguentaria, por isso sonha alto e com leveza, fazer sociologia é um deles; MC GG, 25, que se divide em várias responsabilidades, entre elas, filhos, esposa, ofício de porteiro, cujas pequenas vitórias compartilha com os seus.

O documentário traz essas três figuras que, ainda que disputem seus desejos de dar continuidade à carreira com a perseguição ao funk no ambiente periférico, sonham em levar sua voz da favela para o mundo.
Participantes do Documentário:
MC GG, às 20h
MC Tizzi, às 20h30
MC Neguinho, às 9h

Entrevistas:
Neta Lavor é integrante do Coletivo Literalmente Favela, produtora cultural, cineasta e diretora do documentário. (11) 98345 1344
Fabiana Lima é integrante do Coletivo Literalmente Favela, jornalista, produtora cultural, educadora, produtora, figurinista, assessora de imprensa (11) 97967- 4504
Amanda Abreu é integrante do Coletivo Literalmente Favela, produtora cultural, educadora sexual, produtora executiva e produtora do documentário. (11) 984667- 7791
Contatos:
MC GG: (11) 97056-2814
MC Tizzi: (11) 95201-5238
Mc Neguinho da VL: (11) 95917-1793

O Coletivo
O Coletivo Literalmente Favela surgiu em 2013, tendo referências saraus de São Paulo e ABC, como o Cooperifa, Sarau do Fórum, Sarau na Quebrada, que serviam como pontos culturais nas periferias, já que equipamentos públicos sempre foram escassos nesses territórios. Esses espaços sanam, em parte, a necessidade intrínseca do ser humano de se afetar, trocar e principalmente se identificar. A iniciativa partiu de um grupo de mulheres moradoras da periferia do Jardim Santo André, cuja ideia era replicar essas ações no bairro. Hoje buscam a descentralização dos fazeres culturais e ampliação das narrativas plurais, pretas e periféricas.

Serviço:
Quando: 03/06/2021, a partir das 20h
Onde: insta do Coletivo Literalmente Favela @sarauliteralmentefavela