Dança à Deriva

0
291
O intercâmbio artístico, cultural, político e afetivo, é a base em que se fundamenta essa plataforma, e parte da premissa de um espaço de construção coletiva de saberes cênicos, do compartilhamento de estéticas e dramaturgias e do desenvolvimento de ideias e fazeres em rede.

Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea comemora sua 5ª edição

Dança à Deriva – Mostra Latino-americana de Dança Contemporânea – chega a São Paulo, em sua 5ª edição, trazendo, entre 23 e 31 de julho, 13 companhias e coletivos independentes do Brasil, Colômbia, Chile, Paraguai e México, somando aproximadamente 80 artistas em ações acolhidas por dois espaços culturais: Centro de Referência da Dança de São Paulo e Oficina Cultural Oswald de Andrade.

A programação, pensada e estruturada com o intuito de contemplar obras autorais em diferentes formatos cênicos, traz, além de 20 espetáculos e intervenções artísticas, laboratórios de criação, vídeoarte, ‘conversatórios’ e ainda o 6º Fórum Dança e Sustentabilidade.

Segundo Solange Borelli, articuladora cultural, também idealizadora e coordenadora da Mostra, “Dança à Deriva vem se configurando como um dos festivais mais inovadores na cena cultural paulistana e latino-americana, por primar pela captura das potencialidades de cada local, criando possibilidades de imersão coletiva e partilha de experiências dramatúrgicas e de modos de ser e fazer dança neste continente tão diverso e adverso”. Para ela, é urgente e necessária a aproximação de artistas de países vizinhos para “implodirmos as fronteiras dessa nossa latinidade e estabelecermos cumplicidades e vínculos políticos, éticos e poéticos”, complementa.
pageAlém da abertura, no dia 23 de julho, às 19h30, com a apresentação de “Mulher sem Fim”, criação solo de Andréia Nhur & Katharsis Teatro, que transita entre teatro, dança, música e performance, para mostrar um corpo trespassado continuamente por ecos de mulheres marcantes, acontecem no CRDSP, até o dia 26, outros seis espetáculos – dois brasileiros: a intervenção urbana “Solos de Rua”, do …Avoa Núcleo Artístico (São Paulo), inspirada no texto manifesto ‘As Embalagens’, de Tadeusz Kantor, na Praça Ramos de Azevedo (dia 24, às 17h), e “Satisfação do Cliente” (25/7, 19h), com o Quarta Parede Processos Contemporâneos (Caxias do Sul), duo que olha para a expectativa do público ao assistir um espetáculo; três da Colômbia: “Com La Boca Bien Abierta”, da Andante Danza Contemporánea (Bogotá), trabalho que reflete sobre a violência consentida (24/7, 20h), “Indicios Despierta”, da InCorpo Compañia (Ibagué), que fala das pistas e sinais que marcam o corpo em suas experiências (dia 25/7, 20h), e “Sardónico” (26/7, 19h), do Terser Cuerpo (Bogotá), que se ancora no riso para encontrar um estado corporal; e um do Chile: “Cumulonimbus”, da Plataforma Mono (26, às 20h), que explora coreograficamente a relação entre ordem e caos.

A continuidade dos espetáculos, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, reservando três apresentações por dia, sempre às 18h, 19h e 20h, se dá a partir de sexta, 27/7, com “Entre Tu y Yo”, da Tercer Espacio Colectivo Artistico, de Assunción, Paraguai, que fala do tempo e das memórias que guardamos; “Sílfide Transmutada”, trabalho que discute gênero e a aceitação da construção da identidade através da sexualidade, da InCorpo Danza Contemporánea, coletivo de Ibagué, Colômbia; e “Transferência”, da também colombiana Andante Danza Contemporánea, que mostra as consequências da dinâmica cotidiana individualista e consumista.

O sábado, 28, começa com “Andar_Ilha”, solo da paulistana Luciana Bortoletto, diretora do …Avoa Núcleo Artístico, que conta com a colaboração artística de Doroty Lenner (MG) e Erika Moura (SP); em seguida, a Tercer Cuerpo (Bogotá-CO), dança “Matéria Prima”, que aborda o processo de produção e reprodução em massa gerado pela industrialização e urbanização; e Marcos Abranches, de São Paulo, apresenta “Corpo sobre Tela”, solo inspirado na vida e obra do pintor irlandês Francis Bacon.

Com “Chulos”, peça que encontra inspiração nas Folias de Reis para revelar fragilidades sociais escondidas sob o esplendor das festas populares brasileiras, a Dual Cena Contemporânea, também de São Paulo, faz a única apresentação de domingo (29), às 15h, na Área de Convivência, durante o intervalo do 6º Fórum Dança e Sustentabilidade, que traz o tema ‘Modos de Produção em Dança: subsistência e resistência’.

Na segunda (30), às 18h, tem lugar a Mostra de Resultados Cênicos dos trabalhos desenvolvidos pelos participantes dos Laboratórios de Criação, que acontecem em sete dias durante o Dança à Deriva. Na sequência, o coletivo InCorpo Danza Contemporánea, retorna com outra obra,”Fragmento de dos cuerpos”, sobre a dor e a melancolia sofridas pelas vítimas do conflito armado na Colômbia; e o coletivo enNingúnlugar (México/Colômbia) experencia situações concretas que levam à improvisação e ao estabelecimento de conflitos a serem resolvidos, em “Las Ultimas Cosas”.

Finalmente, no dia 31, terça, depois de mais uma Mostra de Resultados Cênicos dos Laboratórios, ocupa o palco “Accidental Acidental”, trabalho concebido por Pita Torres (Valparaiso/Chile), para quatro intérpretes-criadores que conectam as intensidades de seus corpos para restaurar e reconciliar outro corpo. A Mostra Latino-americana de Dança Contemporânea se encerra com “A Balada da Virgem – Em Nome De Deus”, solo baseado na saga de Joana D’Arc, religiosa condenada à fogueira por heresia e depois celebrada como Santa e padroeira da França, que traz Sandro Borelli de volta aos palcos, depois de quase 10 anos dedicados somente à direção da Cia Carne Agonizante, que celebra 20 anos em 2018.

Outras ações
Para além da intenção de dar visibilidade aos trabalhos cênicos de companhias brasileiras e latino-americanas, o Dança à Deriva tem um caráter de imersão, com a participação integral de todos nas atividades, de forma a incentivar processos colaborativos de criação e espaços de compartilhamento, favorecendo a circulação e a troca de experiências em ações interativas, colaborativas e reflexivas.

Durante a Mostra, serão realizados sete ‘Laboratórios Criativos’ desenvolvidos pelos diretores das Companhias participantes, todos pensados de forma a estabelecer uma investigação mais profunda do corpo e oferecer estímulos criativos que propiciem aumentar o repertório de movimentos e o amadurecimento das habilidades do criador cênico.

Outra atividade que vai na direção de estabelecer relações de troca de percepções técnicas e estéticas, é o ‘Conversatório’, um encontro que acontece todos os dias reunindo artistas e público para uma apreciação das obras apresentadas na noite anterior.

O destaque das atividades paralelas fica por conta do ‘6º Fórum Dança e Sustentabilidade’ no domingo (29), que traz o tema ‘Modos de Produção em Dança: subsistência e resistência’, para alavancar a discussão. Entre as 10h30 e 18h do domingo (29), diretores e integrantes de cada companhia colocam em pauta as políticas públicas de seus países e a forma como interagem em seus contextos, para reflexão sobre os modos de ser, acreditar e produzir a dança na América Latina.

A 5ª edição do Dança à Deriva é uma realização da Radar Cultural Gestão e Projetos e conta como apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Cultura e Prefeitura de São Paulo, numa co-realização Poiesis, Oficina Cultural Oswald de Andrade, Associação Cultural Corpo Rastreado e Centro de Referência da Dança, além das parcerias com o Kasulo – Espaço de Cultura e Arte e Espaço Viver.

Todas as atividades são gratuitas.
Serviço:
Dança à Deriva – 5ª Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea
De 23 a 31 de julho
Centro de Referência da Dança
(Baixos do Viaduto do Chá, s/n – ao lado do Theatro Municipal – prox. Estações Anhangabaú, São Bento e República do Metro – tel: 11 Tel: 32143249 | 953013769)
23/7 (2ª feira), 19h – Abertura, com ‘Mulher se Fim”, de Andréia Nhur & Katharsis Teatro (BR).
24/7 (3ª feira), 17h – “Solos de Rua”, com …Avoa Núcleo Artístico (BR); 20h – “Con La boca bien abierta”, com Andante Danza Contemporánea (CO).
25/7 (4ª feira), 19h – “Satisfação do Cliente”, com Quarta Parede Processos Contemporâneos (BR); 20h – “Indícios Despierta”, com InCorpo Compañia (CO).
26/7 (5ª feira), 19h – “Sardónico”, com Terser Cuerpo (CO); 20h – “Cumulunimbus”, com Plataforma Mono (CH).

Oficina Cultural Oswald de Andrade
(Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo – próx. Estação Tiradentes do Metro – Tel: (11) 3222-2662)
27/7 (6ª feira), 18h – “Entre Tu y Yo”, com Tercer Espacio Colectivo Artistico (PA); 19h – “Sílfide Transmutada”, com InCorpo Danza Contemporánea (CO); 20h – “Transferencia” – Andante Danza Contemporánea (CO).
28/7 (sábado), 18h – “Andar_Ilha”, …Avoa Núcleo Artístico(BR); 19h – “Matéria Prima”, com Terser Cuerpo (CO); 20h – “Corpo sobre Tela” – Marcos Abranches & Cia (BR).
29/7 (domingo), 15h – “Chulos”, com Dual Cena Contemporânea (BR)

30/7 (2ª feira), 18h – “Mostra Resultados Cênicos Laboratórios”; 19h – “Fragmento de Dos Cuerpos”, com InCorpo Danza Contemporánea (CO); 20h – “Las últimas cosas” – enNingunlugar (MX-CO).

31/7 (3ª feira), 18h – “Mostra Resultados Cênicos Laboratórios”; 19h – “Accidental”, de Pita Torres (CH); 20h – “A Balada da Virgem – em nome de Deus” – Cia Carne Agonizante (BR).
*Para todos os espetáculos nos dois espaços:
Lotação: 60 lugares
Classificação indicativa: livre
Grátis – retirar ingresso com uma hora de antecedência
>>Quer Saber Mais?(Acesse…AQUI)